quarta-feira, outubro 23, 2013

Você sabia que “consultores” da Globo são ex-integrantes do governo FHC?

David Zylberstajn, ex-genro e diretor da ANP de FHC, queirdinho das organizações, consultor em petróleo, é o mesmo que propôs fatiar a Petrobrás para facilitar sua venda no governo do sogro...
David Zylberstajn, ex-genro e diretor da ANP de FHC, queridinho das organizações Globo e consultor em petróleo, é o mesmo que propôs fatiar a Petrobrás para facilitar sua venda durante o governo do sogro…
A grande imprensa tem lado, é fato concreto, nem se trata mais de mera teoria conspiratória.  As organizações Globo tem sido menos discreta nesse sentido, pois se utilizam de um time de “consultores” , das mais variadas áreas, de política monetária até exploração do pré-sal, para oferecer a audiência subsídios “confiáveis” para a tomada de decisões, seja para o cidadão comum decidir o que fazer com suas economias ou para guiar o empresariado e suas diretrizes de investimento.
É líquido e certo que o grande e o médio empresário tenham acesso a informação válida para balizar seus negócios. O pequeno empreendedor acaba guiado por informações “quentes” do mercado que são noticiadas pela imprensa dita especializada, especialmente nos veículos da Globo, como O Globo, Valor Econômico, Globo News entre outros.
O cidadão comum, aquele que move a economia brasileira com o resultado de seu trabalho, este, em grande parte não sabe que os “consultores” que a Globo ouve e que “orientam investimentos”, são ex-integrantes do governo FHC e pregam um ambiente desregulado, em favor de uma “economia livre” e um Estado mínimo, em que ganha quem tem mais dinheiro para colocar no mercado financeiro e perde todo o resto.
Ao emprestar seu púlpito aos defensores da agenda neoliberal, aquela que quebrou o país três vezes entre 1995 e 2002, a Globo toma partido e tenta levar consigo seu público, avisado ou desavisado, a reboque por um catequismo editorial massivo.  Ora conspirando contra os rumos da política econômica do governo, ora desinformando sobre os contextos que influenciam cenários consolidados, táticas válidas para o tudo ou nada político.
Não é coincidência que os nomes exibidos abaixo sejam, constantemente, consultados sobre assuntos de extrema importância para o país. Isto tem outro nome: é partidarismo assumido para especialistas, porém dissimulado para a maioria.
Alguns nomes são recorrentes na programação global, principalmente quando se trata da definição das taxas de juros Selic, como Armínio Fraga e Pedro Malan, que atualmente militam para o mercado financeiro e usam de suas antigas credenciais para beneficiar seus próprios negócios ou de seus associados e clientes.
Para cobrir os leilões do pré-sal escalaram o ex-genro de FHC e ex-diretor da ANP, David zylberstajn, para condenar a política energética brasileira e dinamitar a Petrobrás.  Perderam, novamente…
O partidarismo ostensivo só corrobora para a contínua perda de credibilidade de setores conservadores da imprensa, confundindo o grande público e tornando informação relevante em peça política contra a soberania nacional.
Já não é mais possível enganar-se sobre esta tática de desinformação em massa, praticada pela grande mídia.
O país necessita continuar mudando e estabelecer sólidos pilares de sua jovem democracia e uma imprensa que cumpre papel tão mesquinho não se enquadra neste cenário
Você sabia que:
BESSERMANSergio Besserman – excutivo do BNDES durante o  processo de “reforma modernizante” do aparelho de estado brasileiro e reestruturação da indústria, que incluiu corte de gastos e privatização de empresas estatais e  presidente do IBGE, ambos os cargos durante o governo FHC ;
MALAN
Pedro Malan – ministro da Fazendo nos dois mandatos do governo FHC, Atualmente, atua como presidente do Conselho Consultivo Internacional do Itaú Unibanco;
zylberstajn
David zylberstajn – foi o primeiro diretor-geral da recém-criada Agência Nacional do Petróleo (ANP) em 1998, nomeado por FHC de quem era genro, e reconduzido ao cargo novamente em janeiro de 2000.
Sua grande façanha foi ter liderado a quebra do monopólio da Petrobras na exploração do petróleo no Brasil, realizando o primeiro leilão de áreas de exploração aberto à iniciativa privada, nos dias 15 e 16 de junho de 1999;
adriano pires
Adriano Pires – Segundo trecho extraído de sua apresentação no site do Instituto Millenium,foi “assessor do diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP) e superintendente da ANP nas áreas de importação, exportação e abastecimento” durante a gestão de David zylberstajn…
Arminio_Fraga_ag_br_02
Arminio Fraga - presidente do Banco Central do Brasil entre 1999 e  2003 durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, praticante de juros exorbitantes no Copom, chegando a superar a casa dos 45%! No momento, o campeão dos juros recordes da taxa Selic, usa do espaço generoso midiático de que dispõe para atacar juros estipulados pelo Banco Central que estão abaixo de 10%…

Nenhum comentário:

Postar um comentário