sábado, dezembro 26, 2015

Cunha comprova teoria da árvore envenenada

Texto de Alex Solnik.

Eu me perguntava hoje de manhã como isso é possível: nenhum ato de Eduardo Cunha, nada que ele planeja, faz ou diz tem por fim ou resultado a concórdia, o entendimento ou a paz e sim a cizânia, o debate raivoso, o bate-boca, o acirramento de ânimos, a alta do dólar, a queda da Bolsa.

Ele instalou a turbulência em todos os campos políticos. Na Câmara, estimulou a divisão e o confronto. No PMDB colocou em lados opostos Michel Temer e Renan. Alckmin, Serra e Aécio estão em pé de guerra no PSDB. No PT a bancada bate cabeça ora com o Planalto ora com o partido. Filhinhos de papai agridem artistas no Leblon. 

E então me lembrei de duas passagens bíblicas nas quais foi baseada a Doutrina dos Frutos da Árvore Envenenada, que tem livrado da cadeia, desde 1840, muitos criminosos de colarinho branco – e põe branco nisso - nos Estados Unidos e no Brasil quando seus advogados conseguem provar que as provas obtidas contra eles foram originadas de uma prova colhida ilicitamente, seja por fraude dos policiais, seja por confissão sob tortura, seja por grampos ilegais. Elas contaminam, com sua ilegalidade, as provas subsequentes o que provoca a anulação do processo todo.

Essas passagens bíblicas, de Mateus e de Lucas, inseridas no Novo Testamento também explicam porque nada pode se esperar de bom de árvores más, ou de pessoas com o perfil de Cunha. Ouçamos Mateus:

«Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós com vestes de ovelhas, mas por dentro são lobos vorazes. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim toda árvore boa dá bons frutos, porém a árvore má dá maus frutos. Uma árvore boa não pode dar maus frutos, nem uma árvore má dar bons frutos. Toda a árvore que não dá bom fruto é cortada e lançada no fogo. Logo, pelo seus frutos os conhecereis.» (Mateus 7:15-20)
   E agora, Lucas:
   «Não há árvore boa que dê mau fruto; nem tampouco árvore má que dê bom fruto. Pois cada árvore se conhece pelo seu fruto. Os homens não colhem figos dos espinheiros, nem dos abrolhos vindimamuvas. O homem bom do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau do mau tesouro tira o mal; porque a sua boca fala o de que está cheio o coração.»  (Lucas 6:43-45)


   Assim como a árvore má jamais dá bons frutos, o homem mau contamina todos os seus atos, inclusive o mais espúrio deles – a deflagração do impeachment – com o mal que tira do mau tesouro do seu coração porque a sua boca fala o de que está cheio o seu coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário